terça-feira, 3 de outubro de 2017

Água com sal, por favor!

Olha só, que loucura, dois meses passaram-se e eu não consegui atualizar o blog! Muita correria por aqui e, parece que o ano vai terminando, e as coisas vão se acumulando. É impressão minha, ou todo mundo pensa assim?

Obviamente não vou poder contar para vocês tudo o que rolou nesse período, mas tem algumas coisas que eu gostaria de compartilhar aqui.

Por isso, preparei três textos que vou publicar contando algumas coisas que rolaram nesse período off line e com dicas também, ok?




San Antonio, here we go!


Superei o mês de agosto e seus dias cinzas e tristes com a ajuda dos amigos e da família.
  
O Cristian foi um baita parceiro porque aproveitamos um dia de folga dele para sair de Santiago e, benza Deus, foi uma santa terapia!

Saímos de manhã e fomos almoçar num povoado aqui perto, Pomaire. A gente já conhecia e não tinha nenhuma novidade.

Pomaire é uma ótima opção de passeio para quem gosta de artesanato em greda, uma espécie de cerâmica bem típica daqui.

Não sou uma especialista para explicar em detalhes, portanto, publico aqui uma foto para vocês terem uma ideia do que se trata.


Eu e Mamita visitando lojinhas em Pomaire


Mas a gente não foi fazer comprinhas por lá, já que não é o nosso estilo. Acontece que Pomaire fica no caminho para San Antonio, cidade litorânea, e mesmo nome do restaurante onde almoçamos.

Localizado a 50km de Santiago, o San Antonio Colonial é uma gracinha! Com um ambiente super acolhedor, comida típica chilena e, o melhor de tudo, não é caro.

Os pratos servem tranquilamente duas pessoas. Para quem quiser conhecer melhor, deixo aqui o link para acessar o site deles e conferir.

O lugar estava vazio e a Gabi aproveitou para caminhar e curtir de longe a lareira que deixou o ambiente bem quentinho!

Restaurante San Antonio Colonial, em Pomaire

Quem vem pra beira do mar


Sabe aquele meme da internet que diz “não é água com açúcar que acalma é agua com sal”? Pois eu penso exatamente assim.

O dia estava maravilhoso e com sol, mas nossa ideia não era tomar um banho de mar, apenas sentar e contemplar as ondas.

Ouvir o barulho das águas do Pacífico quebrando com toda força e invadindo a areia... Nossa, como esse vai e vem me fez bem! Até rimou!


Nossa parada foi em El Tabo, um balneário que pertence a San Antonio e fica na região de Valparaíso. É uma prainha lindíssima e perfeita nessa época do ano porque no verão fica lotada. Provavelmente porque está localizada bem pertinho de Santiago (120km).

A Gabi adorou brincar na areia e com as conchinhas da praia. Como era um dia de semana, acho que uma quinta, não tinha quase ninguém nem no restaurante, menos ainda na praia.

Foi maravilhoso! É exatamente esse o tipo de viagem que eu curto: fora de época, longe da loucura, para realmente relaxar.

Ali, consegui o gás para seguir adiante nesse segundo semestre. A gente precisa parar de vez em quando. Olhar o azul do céu e do mar, admirar as estrelas, escutar o canto dos pássaros.

Todos esses clichês são verdadeiros lembretes de que esse mundo é muito mais do que a gente vê na internet.

Esse é o primeiro post galera. Na sequencia, publico mais outros com dicas para vocês, ok?

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Um mês que chega e outro vai

Chegou agosto, aquele mês que me deprime porque foi num 22 de agosto que meu pai faleceu. Nessa época do ano, a gente também já está com a bateria fraca.

Gastamos bastante energia para sobreviver ao primeiro semestre e tentamos manter o otimismo de que tudo vai melhorar nos próximos seis meses.

Terminei o mês de julho pensando que tinha sido ruim, mas quando comecei a fazer um revival de tudo o que aconteceu, me dei conta de que foi bom.

Comecei julho me despedindo da minha mãe que passou dez dias comigo no Chile. Não passeamos muito porque ela já veio tantas vezes pra cá e já viu quase tudo em Santiago, que eu até já contei aqui!

Curtimos horrores! Para mim, foi uma delicia ter companhia todos os dias para tomar o café da manhã e conversar!

Ter alguém em casa para ver as travessuras da Gabi e rir comigo! No último dia, fizemos um programa bem frufru. Fomos ao Centro de Santiago comprar as lembrancinhas e como nos divertimos!




No último dia dela aqui, chegaram uns vinhos que eu comprei pela internet. Dei um de presente para ela levar. Lá se foi ela com a mala cheia e deixou meu coração vazio.

A gente não saiu muito, mas numa dessas saídas vivi uma experiência bizarra. Subimos a Cordilheira com a Gabi de carro e no caminho ela vomitou. Tadinha!

Foi a primeira vez. Não sei quem ficou mais assustada: eu ou ela! No final, deu tudo certo. Ainda bem que estavam comigo minha mãe e o Cristian.

Procura-se um pediatra que goste de crianças

Foi por conta de um dos passeios que fizemos que a Gabi acabou doente. Fomos no Tropa, um café para crianças e adultos, onde percebi várias crianças resfriadas brincando.

Fiquei torcendo para a Gabi não se contaminar, mas não teve jeito. Ela ficou super mal, até febre teve um dia.

O bom disso tudo foi que finalmente trocamos de pediatra. Já fazia tempo que eu queria trocar porque não gostava do pediatra dela.

Já tinha procurado outros pediatras, mas como não me acertei com nenhum, acabei ficando com esse.

Mas como ele não acertou no diagnostico, fui em outro, indicado por uma amiga. A Gabi ficou bem mais tranquila na consulta e ele conseguiu curar o resfriado com um xarope bem barato.



A neve em Santiago

Mas, afinal de contas, por que achei julho um mês bom? Foi especial e fora do comum a neve que caiu em Santiago.

Todo mundo viu nas notícias pelo Brasil, certamente, e foi emocionante! Ver neve pela primeira vez aqui!

Muita gente acordou de madrugada para ver a neve. Nós não. Dormimos como pedras nessa noite.

De manhã, sempre abro a cortina para ver como está o dia e foi isso o que eu fiz. Vi que estava tudo branco e chovia bem fininho.

Chamei o Cristian e ele disse: tá nevando em Santiago! Uau! Foi muito legal! Foi a primeira vez que a Gabi, já maiorzinha, brincou com a neve.

Foi bem impressionante porque moramos no Centro e, supostamente, iria nevar nas áreas próximas à cordilheira.

Alguns lugares ficaram completamente nevados! Como a gente não tem carro, não pudemos conferir de perto o visual.

Mas aqui mesmo no nosso edifício, pela manhã, ainda tinha neve cobrindo a grama e o playground.

Sem contar que do terraço do edifício também temos uma vista linda de vários pontos como o Cerro San Cristóbal e alguns cerros onde dava para ver a montanha completamente nevada!



Vacaciones

Além da neve, em julho, apesar da Gabi não ir na escolinha ainda, tivemos alguns dias com clima de férias.

Sai com ela um dia para tomar um sorvete, coisa que ela adora! Fomos no barrio Italia que é super deslocado e cheio de lugarzinhos bacanas. Eu e Gabi!

Na mesma semana, o grupo de mamães brasileiras marcou um encontro no Parque Bicentenário e lá fomos nós com nosso tradicional bolo de cenoura com calda de chocolate.

As crianças adoraram e as mães também! Curtimos bastante a tarde ensolarada e o parque cheio.

Terminei esse pseudo semana de férias tomando um cerveja com a querida Joy e família numa casa onde sempre somos muito bem-recebidos!



Punk

A última semana do mês foi tensa aqui em casa. Estamos com alguns problemas já faz tempo e temos dificuldade de conversar.

Nas poucas vezes em que conseguimos sentar e conversar, fica claro que os dois estão preocupados.

Posso falar de mim, não pelo outro. Desde que fiquei grávida, tive que abrir mão de muitas coisas, algumas das quais não sinto a menor falta, outras sim, sinto saudade.

A falta de rede de apoio aqui (leia-se: pessoas que possam nos ajudar no cuidado da nossa filha) também sobrecarrega o casal. Cansa.

Quando minha mãe esteve aqui, ela ficou com a Gabi para a gente ir num bar. Foi a primeira vez em dois anos que saímos sozinhos para tomar um chopp.

Normalmente, nunca saímos juntos. Cada um saí com seus amigos, por isso, parece que tá faltando algo. 

Outro dia, saí com uma amiga e ela se ofereceu para ficar com a Gabi para a gente poder sair. Eu realmente confio e acredito nela. Vamos ver quando será essa saída!



Só a yoga salva

Em julho, a yoga foi uma excelente válvula de escape, mas em agosto não vou poder ir nas aulas por conta do turno do Cristian esse mês.

Farei em casa as minhas sessões já que tenho tudo e a profe tem um canal no YouTube, o Viva Yoga.

Não vou fazer que nem os políticos e prometer manter o blog atualizado. Aliás, o fato de não conseguir atualizá-lo com frequência deve-se justamente a esse desgaste que mencionei no final do texto.

Mas vamos em frente porque agosto pede passagem e ele é implacável. Vou me fortalecer para encarar mais um dia 22 com saudade e sem meu papito.

***

Já tá melhorando: em 2016, publiquei apenas 12 textos. Esse ano, que está na metade, já foram 12! 



-->

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Quer passar as férias no Chile?

Escrevi esse texto ano passado para o blog Brasileiras Pelo Mundo sobre as atracões do sul do Chile. É uma região maravilhosa para passar as férias. Confiram!







Viver no Chile é uma ótima oportunidade para explorar o país de norte a sul sem grandes dificuldades. Com apenas 4270 km de extensão e paisagens bem diferentes (o Norte seco e árido com o deserto do Atacama e o sul verde e exuberante com a Patagônia Chilena) o país reúne as condições ideais para quem tem alma de viajante. Leia mais



terça-feira, 20 de junho de 2017

Texto novo do Blog Brasileiras Pelo Mundo sobre o Chile

Continuo colaborando com o blog Brasileiras Pelo Mundo. Esse mês escrevi sobre as opções para curtir a neve no Chile. Espero que vocês gostem!

Se você é apaixonado pela neve e mora no Brasil, fique tranquilo! Existe uma ótima opção para curtir essa maravilha da natureza num lugar bem pertinho a apenas 3 horas e meia de voo a partir de São Paulo. Chegando a Santiago, no Chile, você tem excelentes opções de centros de ski muito próximos da capital.

Localizados 2 mil metros acima do nível do mar e a apenas 40km a leste de Santiago estão os mais conhecidos como Farellones, El Colorado e Valle Nevado. São ideias para quem curtir a neve com uma boa infraestrutura já que oferecem hospedagem, e restaurantes, além de aluguel de equipamentos e pistas para todos os níveis, desde aprendiz até profissionais. Leia mais




sexta-feira, 16 de junho de 2017

Um big post em três partes

Fiquei afastada por mais de um mês do blog, coisa triste! Sempre tento escrever ao menos um texto por mês, mas está cada vez mais difícil.

Isso aconteceu porque estou trabalhando como community manager em casa. O que eu faço? Monitoro e atualizo redes sociais para um cliente.

Como eu consigo tempo para fazer isso? Quando a Gabi dorme, ou quando o pai dela pode estar com ela.

Fora isso, tenho os meus textos do site de casamentos que eu continuo escrevendo. Esses são mais fáceis de me organizar porque mandam os textos antecipadamente.

O trabalho é a razão principal para eu me ausentar do blog porque eu conseguia escrever no meu tempo “livre”.

Porque ser mãe 24 x 7 é uma loucura. Nesse meio do caminho, tivemos vários contratempos aqui em casa.

O mais forte deles foi a presença do meu enteado adolescente que brigou com a mãe dele e ficou morando com a gente por uns dias.

Eles já se acertaram e ele voltou para casa. Ainda bem porque hoje estamos super apertados aqui e falta espaço para receber os meninos nos fins de semana, menos ainda para ter uma pessoa morando com a gente.

Essa é uma pendência que temos, mas está bem difícil solucionar. Os alugueis estão super caros para apartamentos de três quartos.

A maioria das pessoas prefere comprar e nós também gostaríamos, mas enquanto não sai o divórcio do Cristian ficamos na mesma.

São coisas que me cansam só de pensar, mais ainda ao escrever.  Para tentar sobreviver a tudo isso, de vez em quando damos uma escapada para desopilar.

Parte 1: sair por aí

Nesse tempo em que estive ausente fizemos isso duas vezes e foi muito bom para todo mundo!

A primeira vez que saímos para passear fomos a Valparaíso no meu aniversário. Soprei as velhinhas num lugar que eu gosto muito e na companhia de pessoas muito queridas.

Gente com quem eu gosto de conversar, que aliás é o que eu mais sinto falta morando aqui no Chile: uma boa conversa!

Porque a maternidade me isolou muito e eu, que já tinha poucas amigas, fiquei imersa no mundo da Galinha Pintadinha e companhia.

Esse isolamento também repercute nas celebrações dos meus aniversários desde que vim morar aqui.

Sempre gostei de celebrar, nada grande, mas uma reuniãozinha para rir e conversar. Na falta de um quórum para organizar algo, viajar me parece uma excelente pedida!



Sair de casa, renovar as energias, mudar de ares, sempre dá aquela chacoalhada! Por isso, umas duas semanas depois, quando recebemos um convite para visitar um amigo do Cristian fora de Santiago, topei na hora!

Fomos visitá-lo numa chácara super linda numa cidade no entorno de Santiago, em Calera de Tango. Aliás, essa é uma tendência cada vez mais forte por aqui.

As pessoas fogem dos preços exorbitantes, da poluição e da falta de qualidade de vida. Para isso, decidem morar fora de Santiago, em lugares onde você pode chegar de metrotrem, ônibus ou colectivo (táxi compartilhado).

O lugar era lindo, com muito verde, uma casa de madeira deliciosa e muito frio! Nos divertimos bastante e foi outro momento de boas conversas e risadas.

Nessas duas ocasiões, a Gabi dormiu fora e acho tão bom acostumá-la assim. Dormir em outra casa, conviver com pessoas diferentes e socializar!

Parte 2: socializar fora das redes sociais

Além dos passeios fora de Santiago, outra coisa que me manteve bem ativa nesse período foram os encontros com as mamães brasileiras aqui no Chile.

Temos um grupo no Facebook e, de vez em quando, fazemos encontros presenciais. São ótimas oportunidades de juntar os pequenos, dividir as angústias e rir um pouco!



Mas eventualmente é bom sair desse universo maternal, foi o que fiz em duas ocasiões com duas amigas diferentes, no Café Survenir, em barrio Italia.

Aliás, amigas é o que tenho tentando cultivar aqui, cuidar das minhas amizades. São poucas, já que sou bem seletiva, mas pessoas bem especiais.

Uma dessas amizades começou pelo Facebook, quando formamos um grupo de brasileiros de esquerda e organizamos alguns protestos na época do impeachment.

Dali, fiz uma amiga, a Valentina, e foi com ela que sai para falar de outros temas além da maternidade, porque ela não tem filhos. E como foi bom!

É muito ruim virar uma pessoa monotemática. Tem tantas coisas interessantes além de ser mãe que a gente sente falta de ouvir e falar... mas nem sempre tem alguém para conversar.

Outra amizade linda daqui começou como uma relação profissional. Eu dava aulas de Português para a Maria Isabel e ficamos muito amigas.

Ela é uma pessoa  incrível e a gente, simplesmente, adora conversar! Temos uma sintonia muito grande, embora nossas opiniões políticas sejam bem divergentes, o que eu adoro!

Adoro quando aceitamos as opiniões diferentes dos nossos amigos e os tratamos com o mesmo respeito que queremos receber.

O mundo anda tão feio e chato com esse pensamento único e a intolerância que cada vez que a gente encontra alguém e consegue divergir sem se ofender, nem agredir, é uma benção do universo.

Parte 3: Meditar

Falando em sintonia, esse é o tema da terceira e última parte desse big post. Comecei a fazer aulas de yoga aqui em Santiago com uma instrutora brasileira de Brasília!

Impressionante como essa cidade está sempre presente na minha vida e cruzando meus caminhos!

Conheci a Ceres há um ano, quando ela anunciou (no Facebook) uns docinhos brasileiros para vender.

Encomendei alguns para dividir com meus colegas de trabalho. Eles não mereciam tanto carinho, mas a vida é tão grata que quem ganhou com esse gesto fui eu!

Porque conheci uma pessoa super especial. Estou adorando a Yoga, me ajuda muito a ter disciplina, energia, tolerância, paz. Gosto muito mesmo!

As aulas são em português e logicamente acabo conhecendo mais brasileiros e vamos trocando experiências sobre morar aqui.

Uma das coisas que eu mais adoro é a meditação. Ainda sou muito iniciante, mas adoro! Sem contar que me ajuda bastante na minha vida pessoal.

Nesse tempo em que estive ausente, passei por um grande susto na minha família. De novo, o câncer andou nos rondando e ficamos todos em pânico.

Uma das minhas irmãs teve uma suspeita de um tumor, justo na região dos gânglios linfáticos. Para quem não sabe, meu pai morrei de Linfoma.

Enquanto esperávamos o resultado dos exames, o que me deixou super centrada foi a meditação.



Muitos mantras, incenso e pensar apenas em coisas boas, alimentando a alma com as melhores energias, me ajudou.

No final, o diagnóstico de câncer foi descartado e sobrevivemos a mais esse susto. Agora, estou numa outra fase.

Contando os dias para a chegada da minha mãe que vem nos visitar e passar dez dias com a gente.

Não é fácil estar longe. Não é bom ficar muito só. Daqui e dali, vou tentando me equilibrar e ficar bem.

Porque ser feliz é importante não apenas para mim, mas especialmente para a minha filha. Na medida me que me alimento com bastante amor e felicidade, também posso distribui-lo em dobro.

Muitas vezes eu reclamo e reclamo mesmo, desabafo... Não vejo razão nenhuma para que a gente guarde as amarguras da vida.

Todos temos maus momentos. Ninguém é o tempo todo feliz como nas redes sociais. Viver a vida intensamente é viver tudo: o bom e o mau, os dias de luta e de glória. Tudo.

Porque se não fosse assim eu não seria a pessoa que sou. O dia em que eu parar de ser tão intensa nas coisas que faço, me internem, ou me enterrem.

Por enquanto, peço apenas que sejam pacientes e não deixem de ler meus textos. 

***

Descobri um mantra maravilhoso na aula de yoga e deixo aqui um trechinho para vocês. Namastê!


terça-feira, 2 de maio de 2017

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Entre amores e temblores

Esse fim de semana teve bastante tremor de terra aqui no Chile, os famosos “temblores”. Para nós, estrangeiros, motivo de pânico e preocupação.

Para os chilenos, mais do mesmo. Eles nasceram e cresceram com a atividade sísmica fazendo parte da vida deles. Um temblor a mais, um a menos…

Os mais fortes desses últimos dias foram na segunda (6.9) e sábado (6.1). Tremeu bastante aqui em casa!

Mas não chego a ficar preocupada, nem me assusto. Sempre fico tranquila. Talvez esteja assim porque estou num bom momento com o querido Chilito.

Nessa última semana, em especial, foi bem legal porque fizemos vários passeios por Santiago. É sempre bom sair, ver gente e lugares novos.

Escrevi aqui há algum tempo que a vida é movimento. Pois então! Nesse domingo, fizemos alguns passeios inéditos.

Fui ao Zoológico Nacional pela primeira vez desde que comecei a visitar o Chile. Para quem não sabe, o zoo fica no Parque Metropolitano, um dos principais pontos turísticos da cidade.

Uma das atrações é a localização em pleno Cerro San Cristóbal. Dá para subir caminhando ao zoológico e, de lá, pegar um funicular até o topo do cerro.

Para descer, outra novidade: um passeio no teleférico que foi totalmente remodelado. Encantador para quem curte aventura e as alturas. 

De tarde, fomos ao Parque Bicentenário, outro lugar incrível em Santiago. A começar pelos brinquedos que são totalmente diferentes e as crianças, obviamente, adoram!

O parque é localizado numa excelente comuna (Vitacura), então, tem toda a infraestrutura impecável.

Nessa mesma semana, também fizemos outro passeio maravilhosos em família. Eu, Cristián e Gabi subimos o Cerro Santa Lucia, que fica perto da nossa casa.

Foi a primeira vez da Gabi lá no alto e ela adorou! Para mim, foi uma ótima terapia sair com eles e desopilar um pouco.

Deu pena de ver que o Cerro está meio abandonado. Vários acessos fechados desde o ano passado por falta de manutenção e sem previsão de reabertura.

Uns com tanto, como no Parque Bicentenário, outros com tão pouco... Santiago é igual a qualquer lugar no mundo mesmo!  

Eu já tinha ido a quase todos esses lugares. A novidade mesmo foi o zoológico e o teleférico. Super recomendo passeios nos cerros de Santiago.

Se for em boa companhia, então, melhor ainda. No meio dos meus amores, fica fácil sobreviver aos constantes temblores.

***